Esta versão do não é compatível.

Navegadores não suportados , além de impedi-lo de usar todos os recursos da página, são mais lentos e representam um risco para a sua segurança.

Recomendamos que você agora actualizar a sua versão do navegador ou entrar com outra browser suportado.

[literal.accesibilidad.IrAlContenido]
Presiona intro para desplegar el contenido del menu. (PT) Presiona intro para desplegar las opciones de idioma. (PT) Presiona intro para desplegar las opciones de tamaño de fuente. (PT)

[literal.breadcrumbs.home]

Salvo como uma página favorita corretamente

Compensaçao de energia reativa

Compensaçao de energia reativa

As instalações elétricas consomem energia reativa (medida em kVArh) que não produz trabalho útil, mas que é imprescindível para o bom funcionamento dos equipamentos. As instalações que não incorporam sistemas para Compensação de Energia Reativa, ou em que o mesmo esteja mal dimensionado ou obsoleto, provocam deterioração dos equipamentos produtivos e encargos excessivos e desnecessários na fatura de energia elétrica. Estes encargos podem ser evitados com a instalação de baterias de condensadores, fixas ou automáticas, dimensionadas de acordo com as características de cada instalação.

A Endesa realiza um estudo personalizado da sua instalação e propõe uma solução dimensionada com vista à eliminação dos encargos com energia reativa que, a partir de Janeiro de 2011, com a entrada em vigor dos Despachos 7253/2010 e 12605/2010, se tornaram ainda mais penalizadores para todo o tipo de instalações que não disponham de um sistema de compensação de energia recativa. As alterações aplicam-se à energia reativa indutiva medida nas horas fora de vazio e podem originar um aumento na fatura de energia elétrica.

As novas regras de faturação aplicam-se à energia reativa indutiva medida nas horas fora de vazio, referida na sua fatura como “Energia Reativa Fora Vazio”. As alterações introduzem fatores multiplicativos, que serão aplicados à energia reativa compreendida em diversos escalões em função da tg ϕ, que se define pelo quociente entre a energia reativa e a energia ativa.


 

Os fatores multiplicativos serão aplicados de forma progressiva:

  • A partir de Janeiro de 2011 – aplicação de fatores multiplicativos para a energia reativa compreendida nos escalões 2 e 3
  • A partir de Janeiro de 2012 – aplicação de fatores multiplicativos para a energia reativa compreendida nos escalões 1, 2 e 3

A partir de Janeiro de 2012, o período de integração para determinação das quantidades de energia reativa passou a ser diário para as instalações abastecidas em Muita Alta Tensão (MAT), Alta Tensão (AT) e Média Tensão (MT).

 

Solicitar contatoservicio

[footer.goup.anchor]